Home
BasisInformation
Weiterführende
Informationen
Kritik & Antwort
Zeitschrift für
Sozialökonomie
Fragen 
der Freiheit
Veranstaltungen
Forschung
Archive
Info Foreign
Languages
PinnWand
Impressum
Stiftung


Spendenkonto
der Stiftung
für Reform der Geld- und Bodenordnung:
Konto 102 33 00
GLS Bank
BLZ 430 609 67

SOZIALÖKONOMIE.INFO

A reforma da moeda e do direito de propriedade
da terra de uma perspectiva européia e global
Werner Onken - Trad.: Rudi Braatz

Aderindo ao reformador social francês Pierre Proudhon e ao reformador social norte-americano Henry George, Silvio Gesell desenvolveu sua concepção de uma reforma da moeda e do direito de propriedade da terra nos primeiros decênios do século XX. De forma idêntica ao liberalismo social de Franz Oppenheimer, à reforma da terra de Adolf Damaschke ou ao socialismo libertários de Gustav Landauer até Martin Buber, Gesell entendia que esta concepção era uma alternativa ao capitalismo e ao comunismo. Seu objetivo era chegar à „economia de mercado sem capitalismo“, ou seja, uma economia de mercado liberta de quaisquer privilégios e monopólios, na qual o dinheiro e a terra, inclusive os recursos naturais, estejam à disposição de todas as pessoas em igualdade de condições como bens comuns.

Nas décadas de confronto entre o Leste e o Oeste, os adeptos de Gesell desenvolveram mais a concepção da reforma da moeda e do direito de propriedade da terra como um „Terceiro Caminho“. Com a vitória provisória do capitalismo na disputa dos sistemas, no outono de 1989, eles interpretam esta concepção como um alternativa de distanciamento do “neo-liberalismo” capitalista em expansão cada vez acelerada em todo o globo terrestre, desde então.
Tendo como pano de fundo a globalização e a unificação européia que está acontecendo em paralelo, pretende-se esboçar quais as perspectivas européias e globais, do pensamento relativo à reforma da moeda e do direito de propriedade sobre a terra, que podem ter eco e que poderiam ser aperfeiçoadas. Inicialmente a preocupação é de apenas traçar linhas básicas sobre a ordem política e não sobre detalhes teóricos.

Silvio Gesell como pioneiro e cidadão do mundo

Como filho de uma mãe da Valônia e de um pai prussiano, Silvio Gesell cresceu na região de Eupen-Malmedy, onde os idiomas e culturas romanas e germânicas interagem. Em sua casa paterna, que era ao mesmo tempo fortemente católica e protestante, se falava tanto alemão como francês. Isto fez com que muito cedo evocasse nele o desejo de uma conciliação franco-alemã, fato que expressou mais tarde em sua vida. Depois de estadas em Berlim, Málaga na Espanha e Hamburgo, Gesell se mudou para a Argentina em 1887. Em Buenos Aires foi comerciante com uma loja que vendia material dentário. Sua experiência no exterior o ensinou cedo a reconhecer o individualismo, a cidadania mundial e a rejeição a fronteiras como sinais marcantes de „pessoas civilizadas“. [1]

No ano de 1899 Gesell voltou à Europa – inicialmente para a Alemanha e logo depois para a Suíça. A partir de então viveu alternadamente na região de fala francesa da Suíça, bem como em Potsdam e Oranienburg, entrecortado por algumas permanências mais longas na Argentina. Com publicações predominantemente no idioma alemão, mas também em espanhol, se propôs a estabelecer as pré-condições econômicas para que todas as pessoas do mundo, respeitado seus diferentes idiomas, religiões e culturas, pudessem crescer juntas para se tornar uma única e grande “família humana” [2].

Reforma da moeda – De uma perspectiva de estado nacional a uma perspectiva global

Em seu primeiro folheto publicado em Buenos Aires no ano de 1891, Gesell descreveu o „ dinheiro oxidante“ como meio para a reforma do sistema monetário num só país. Ele imaginava que uma reestruturação do peso argentino e do então marco imperial alemão em „notas de dinheiro oxidáveis“ iria conduzir ao equilíbrio estável de longo prazo e que, conseqüentemente, o nível das taxas de juros cairia gradualmente, tendendo a zero, de modo que o dinheiro perderia seu poder estrutural sobre os indivíduos e os mercados, já não produzindo efeitos injustos na distribuição da renda e do patrimônio. O controle exato da quantidade deste „dinheiro oxidante“ de circulação garantida deveria possibilitar a estabilização absoluta do poder de compra de moedas como o peso, o franco suíço, o dólar ou o rublo.

Gesell entendia que uma reforma monetária desta ordem seria o caminho para o „Estado Social“ no qual a renda e o patrimônio seriam distribuídos com justiça segundo um critério baseado em resultados produzidos por cada um. Ao invés de estratificações hierárquicas do dinheiro e do capital real concentrado, por um lado, e do proletariado despido da propriedade dos meios de produção, por outro, deveria surgir uma sociedade de cidadãos livres e iguais na qual estes, economicamente autônomos, pudessem produzir em horários flexíveis e auto-determinados, vendendo seus produtos em mercados não monopolizados. [3]

Depois de mudar-se para a Suíça em 1902, editou o periódico „A Reforma Monetária“, no qual surgiu pela primeira vez a idéia de que os juros e os salários são grandezas internacionais em função do entrelaçamento econômico mundial. A redução das taxas de juros para próximo de zero em favor do contrato de trabalho só seria possível, por isso, quando a reforma monetária fosse efetuada em diversos ou eventualmente em muitos países.[4]

Reforma do direito de propriedade sobre a terra:
A terra como bem comum de toda população

Em certo momento Gesell passou a se interessar e examinar com atenção a proposta de Henry George, de que a propriedade do solo fosse tributada em benefício da comunidade. A partir de George ele ficou convencido de que, além dos juros sobre o dinheiro, também a renda privada da terra produz injustiça social de modo que o acesso aos que é básico para o sustento da vida não é mais igual para todos as pessoas. Ao invés do „imposto único“ de George, Gesell propôs a reforma da propriedade da terra, na qual todo o solo de um país seja encampado como bem comum mediante indenização aos proprietários, que por sua vez pagariam, a partir daí, um arrendamento ao poder público como contrapartida pelo uso do solo para fins de moradia e de exploração.[5]

Rapidamente compreendeu também as implicações internacionais da questão do solo, incluindo, então, além da área superficial do solo, também os recursos do sub-solo de todo o planeta terra em suas considerações. Ele perdeu de vista, não a aprofundando, deixando que futuras gerações tratassem disso, a idéia revolucionária de que os recursos naturais deveriam ser de uso para investimentos de caráter ecológico numa dimensão global.[6] No primeiro plano de suas preocupações estava o objetivo de assegurar acesso igualitário à parte superficial do solo em países isolados como a Alemanha e a Suíça – não fazendo para tal qualquer distinção entre cidadãos nacionais e estrangeiros. As receitas de arrendamento deveriam servir para garantir a segurança social de mães e filhos, não fazendo, também, qualquer distinção quanto à origem ou cor de pele. „No contexto do globo terrestre, todas as pessoas têm direitos iguais – sem diferenças de raça, religião, de formação educacional ou características físicas. Somos todos velhos nativos da terra. ... Nenhuma mãe, independentemente de onde ela provir, poderá ser excluída dos recursos arrecadados com arrendamento.“[7]

Reforma Monetária Internacional

Durante sua segunda permanência na Argentina (entre 1907 e 1911) Gesell desenvolveu suas idéias sobre a ordem monetária internacional. Além disso, para a estabilização dos preços internos, achava necessária a estabilização das diversas moedas internacionais, a fim de preservar o comércio internacional de especulações com divisas e contra as crises. Com este objetivo, entregou, em 1909, ao governo argentino e ao Banco Central, a sugestão de que os países do mundo fossem convidados para uma conferência internacional sobre moeda, em Buenos Aires. Nesta conferência deveriam ser definidas regras comuns de um compromisso de política monetária internacional para o „organismo internacional“ da economia mundial, como um „ato coordenado de irmandade internacional“.[8]

Considerações de política européia durante a primeira guerra mundial

Influenciado pela primeira guerra mundial, Gesell esboçou em grandes linhas a idéia de uma „Central Quatro de Força Mundial” – uma união de países europeus continentais que se congregariam, mantendo sua soberania econômica e que, ao lado dos EUA, Inglaterra e Rússia, constituiriam um quarto campo de força na política mundial. Individualmente os países-membros deveriam

1. estabilizar de tal modo sua relação das taxas de câmbio que a estrutura das cotações de câmbio entre eles permanecesse estável;

2. proteger as matérias-primas do uso indevido por parte de entes privados e públicos, no âmbito dos direitos civis gerais;

3. prescindir de qualquer tipo de taxas alfandegárias, baseado em „autêntico comércio livre“, onde não existiriam monopólios. Uma união aduaneira européia era considerada por Gesell „um equívoco“, pois estabeleceria muros de fronteira artificiais contra as demais centrais de força, dificultando sobremaneira a fusão natural.“[9]

Segundo imaginava Gesell, a „Central Quatro de Força Mundial” não deveria ser mantida unida em função de características culturais, históricas ou raciais, mas tão somente em função de um „materialismo crasso“ e suas inerentes vantagens de união econômica.[10] A ela „deveriam poder aderir um sem-número de países, também os exóticos, pretos e amarelos“. A admissão, tanto quanto a retirada da Central Quatro, deveriam ser atos espontâneos. Imaginou, inclusive, que o esperanto, „um idioma artificial, livre de quaisquer sotaques raciais, de povos, históricos e geográficos, poderia ser o meio de entendimento entre estes povos”.[11]

O entendimento entre os povos após a primeira guerra mundial

Gesell interpretava como sendo uma „mancha bem pessoal“ os séculos de história alemã marcados pela vassalagem feudal e as recentes ambições de grande potência. A primeira guerra mundial, que iniciou com a invasão da „pacífica Bélgica“ é visto por ele como uma „criminosa guerra nacionalista“ e também „um dos eventos mais terríveis da história mundial“.[12]

Ao final da guerra, Gesell exigiu que se pusesse fim à „loucura nacionalista“. A Alemanha deveria pagar as reparações exigidas pelas nações vencedoras e, no interesse da conciliação com os franceses, os poloneses e os tchecos, abrir mão da reivindicação de quaisquer territórios.[13]

A fim de obter a paz interna e a conseqüente irradiação desta para os países vizinhos, a Alemanha deveria tirar as conseqüências da compreensão de que as guerras são „filhos naturais“ de nossas próprias condições sociais. O país deveria superar internamente a injustiça e o estado de guerra resultante dos privilégios auferidos pelos detentores da terra e do dinheiro, de modo a dar o exemplo ao mundo de como pode ser estabelecida uma autêntica política de paz, depois da catástrofe da primeira guerra mundial. „A guerra civil é um efeito colateral da estratificação do povo em classes, sendo a luta destas classes entre si a guerra civil econômica. ... „Quem desejar, portanto, a paz dos povos, terá que buscá-la no altar da paz civil. A paz civil é a semente geradora da paz entre os povos .“[14]

Depois da reforma do sistema monetário e do direito de propriedade sobre a terra, bem como da eliminação de todas as taxas alfandegárias, as divisas entre países passariam a perder seu caráter de linhas divisórias. As fronteiras passam a ser tão somente divisas administrativas como as que separam os cantões da Suíça; elas já não impedem que povos vizinhos, resguardadas as suas identidades culturais e de idioma, de se inter-relacionar economicamente e de estabelecer laços familiares.[15]

Como forma de reduzir os motivos de conflito em torno de recursos naturais, especialmente em regiões de fronteira, Gesell retomou, após a guerra, suas idéias sobre a internacionalização dos recursos naturais. Os direitos de soberania nacional sobre recursos naturais representavam para ele, conseqüentemente, um „barril de pólvora para a guerra“. Por isso ele recomendava, como caminho para atenuar os conflitos entre a Alemanha e a Polônia, a transformação das reservas de carvão existentes na Silésia superior em área administrada internacionalmente que chamaria de „carvão livre“. Tendo em vista a expansão dos transportes modernos já anteviu o significado de uma internacionalização das reservas petrolíferas e de outros recursos naturais para assegurar a paz mundial. Não fez, contudo, qualquer proposta concreta para uma administração internacional destas reservas mundiais tidas como bens comuns de uso privado mediante indenização.[16]

Além-fronteira alemã e européia: O esboço de uma
Associação Valuta Internacional (1920)

Ao invés disto, Gesell se concentrou inicialmente, em 1920, em desenvolver idéias relacionadas com a ordem monetária internacional, a partir do que havia concebido em 1909. Segundo o exemplo da União Monetária Latina, os países do mundo poderiam criar uma Associação Valuta Internacional (AVI) com sede na Suíça, um país neutro. A AVI deveria colocar à disposição dos países membros dinheiro emitido pela AVI como meio de pagamento internacional num montante de cerca de 20% de seu dinheiro em poder do público, sendo que este dinheiro teria uma cotação fixa em relação às moedas reformadas de cada país e circularia em paralelo com as mesmas. Cada país emitiria montante equivalente de letras de câmbio para receber o dinheiro emitido pela AVI. Em caso de desequilíbrio entre as entradas e saídas das notas da AVI em cada país, a AVI faria a compensação, cobrando as letras de câmbio com juros punitivos.[17]

De modo geral, Gesell entendia que o mundo é „o lar de toda a humanidade no cosmos ... que nunca pode ser visto de uma ótica nacional“. Cada indivíduo seria „um membro anatômico deste corpo chamado humanidade“. A terra seria, segundo ele, um grande „indivisível e íntegro organismo econômico”, propriedade inalienável de toda a humanidade. ... Dos pretos, dos vermelhos, dos amarelos, dos brancos – a terra indivisível pertence a todos sem exceção. ... Cada indivíduo, independentemente a que país pertença, tem o direito igual sobre o „carvão inglês“, sobre o „petróleo americano“ e sobre o „Kali (adubo) alemão”.“[18]

Nesse sentido, via como „pensamento doentio“ a idéia de um território econômico nacional fechado expansível por incorporação de colônias e conquistas, com pretensão autárquica.[19] Ao invés disso, todos os países ultramarinos deveriam ser independentes das potências coloniais política e economicamente e competir livremente nos mercados mundiais pós-capitalistas sem monopólios e tarifas aduaneiras. Assim, o sistema de mercados locais, regionais, nacionais e internacionais já não seria mais conduzido equivocadamente pelos interesses capitalistas, mas – considerados os custos reais de transporte – determinado unicamente pelas necessidades humanas. Como conseqüência do nível da taxa de juros internacionais tender a zero, o intercâmbio de mercadorias e de serviços seria operado por preços justos, o que poderia equilibrar a longo prazo os mercados mundiais, que até então estavam sendo perturbados por interesses de poder.

“A absurda unificação européia“

Enquanto Gesell, depois da guerra, deixou sua idéia da Central Quatro de Força Mundial“ da Europa continental e sonhava com um comércio mundial sem monopólios, Richard Coudenhove-Kalergi (1894 – 1972) concebeu, a partir da década de 1920, uma „União Pan-Européia” que pode ser considerado como o primeiro movimento de unificação européia. Semelhante à Central Quatro de Força Mundial“, Richard Coudenhove-Kalergi entendia que poderia haver uma união de estados europeus continentais sem a Inglaterra e a Rússia. Com a União Pan-Européia não se pretendia, na realidade, obter uma união dos estados europeus com uma moeda comum e a reforma do direito de propriedade sobre a terra como forma de atingir a paz interna dos países europeus continentais. Ao invés disso, pretendiam que a União Pan-Européia fosse governada em conjunto com uma moeda comum para funcionar como contrapeso de poder econômico contra os EUA e o império britânico e contra o baluarte militar do comunismo russo.[20]

A respeito destas idéias, Gesell advertia em 1926 que a Europa, como uma região econômica, mesmo que unida, se distanciaria do resto do mundo em função das tarifas aduaneiras. “Não tenhamos ilusões. Uma União Aduaneira Européia constitui uma área de comércio isolada. ... As tarifas aduaneiras de fronteira entre os países europeus propiciaram as motivações econômicas para a guerra européia. ... Da mesma forma, as fronteiras aduaneiras da União Aduaneira Européia estabelecerão interesses e ambiente conspiratório que nos levarão a uma guerra mundial contra as uniões aduaneiras pan-americanas e pan-asiáticas. ... Quem de verdade desejava a paz, rejeitava de plano a fórmula pan-européia e exigia que se ambicionasse o todo, isto é, a eliminação de toda e qualquer fronteira aduaneira, o comércio mundial livre.“[21]

Da AVI de Gesell até o “Bancor” de Keynes

Depois de ter reconhecido a dimensão internacional da reforma monetária e do direito sobre a propriedade da terra, voltou sua atenção muito além da Europa para a economia globalizada. Da maneira como entendia o livre comércio mundial, este se diferenciava fundamentalmente do atual ‚comércio livre neo-liberal’. Este na realidade não é um comércio mundial livre de monopólios e baseado num duradouro e justo sistema monetário e igualitário direito sobre a propriedade da terra. Trata-se, muito pelo contrário de um desenfreado „Capitalismo de Rapina“ com domínio predador dos mercados de capitais e dos grupos econômicos sobre as pessoas e a natureza. Em contraposição a isto, Gesell imaginada como o globo terrestre poderia ser no futuro, com os povos e as sociedades distribuídas sobre o mesmo de forma socialmente justa e como estas poderiam estar associadas entre si numa rede igualitária que batizou de Associação Valuta Internacional. É bem verdade que naquela época não possuía ainda qualquer consciência ecológica. Suas considerações sobre a terra e sobre todos os recursos naturais, que considerava inalienáveis bens comuns de toda a humanidade, permitem, contudo, uma amplificação do conceito para lhe dar um caráter ecológico.

Sobre a Europa, a visão de Gesell esteve turbada durante a primeira guerra mundial, quando sugeriu que se contrapusesse às grandes potências, os EUA, a Inglateera e à Rússia, uma „Central Quatro de Força Mundial“. Esta não deveria ser, porém, mais uma grande potência militar-capitalista, e sim um poder baseado na justiça ao invés do poder, que deveria estar aberto para associações de caráter federativo com todos os países do mundo, voltado para uma economia de mercado pós-capitalista. A menção explícita de que os países membros deveriam respeitar os direitos humanos indica claramente que uma tal associação necessitaria, além das vantagens de caráter econômico, contar com valores comuns como fator de integração. (A longo prazo, a Força Quatro também poderia estar aberta para as potências como os EUA, a Inglaterra e a Rússia, tão logo estas mudassem respectivamente do capitalismo e do comunismo para uma „economia de mercado sem capitalismo“.) Uma união aduaneira européia restrita só transporia o imperialismo e a guerra de um patamar de estado nacional para um mais alto de âmbito continental.

Gesell se opunha com ceticismo à Liga das Nações criada no início da década de 1920 porque seus estados membros deixaram aproveitar a oportunidade para reformar o sistema monetário internacional e o direito sobre a propriedade da terra: “Estes cogumelos sociais resultantes da cisão e dos explosivos, que já fizeram com que os estados da antiguidade ficassem em escombros, também liquidarão com nossa cultura, se não conseguirmos nos libertar a tempo. ... A Liga das Nações pode se transformar numa união de livre comércio ou uma frágil casca de noz que quebrará facilmente com o acirramento dos contrastes sociais. ... Mesmo que o desenrolar da história tenha confirmado esta expectativa, Gesell interpretou erroneamente e subestimou o direito dos povos como algo que não passa de uma „paz de papel“. O direito dos povos é indispensável e um parâmetro para o comportamento de países capitalistas nas guerras civis e entre povos. Por esta razão teria sido melhor complementar o direito dos povos com o direito de cada indivíduo de acesso igual ao uso da terra e de seus recursos maturais, bem como do direito ao intercâmbio justo de seus bens produzidos com trabalho, reforçando, assim, o direito dos povos de um modo geral. Nesse sentido, Gesell considerou, ao final de sua vida, numa aliança da AVI com a Liga das Nações, precursora da Organização das Nações Unidas.[22]

Sua concepção da AVI foi precursora do „Plano Bancor“, de John Maynard Keynes (1943), ao mesmo tempo que poderia ter sido uma contraposição às considerações do „Círculo de Kreisau”. Este „Círculo de Kreisau“ também partia do pressuposto de que um intercâmbio de livre comércio justo – como na antiguidade as grandes rotas de comércio – uniria os povos do mundo entre si, assegurando a paz. Influenciados por estas e outras idéias de Walter Eucken, contrapunham os planos nacional-socialistas de um economia européia de amplo espaço com a intenção de reabrir o livre comércio no mundo.[23]

Em sua „Teoria Geral“ (1935), Keynes registrou compreensão para a proposta de Gesell sobre o „dinheiro oxidante“. Esta idéia de onerar o dinheiro com custos artificiais de entesouramento foi absorvida por ele na segunda guerra mundial em sua concepção da „International Clearing Union“ (ICU). Diferentemente da concepção de Gesell quanto ao AVI, um banco central mundial e supra-nacional deveria eliminar os desequilíbrios do comércio mundial com um sistema de encontro de contas e não com moedas verdadeiras de curso internacional. Cada país membro teria uma conta na ICU na qual todos os pagamentos internacionais seriam convertidos em „Bancor“. Com este procedimento Keynes pretendia onerar todas as contas „Bancor“, tanto dos países devedores como dos credores, com uma taxa de juros progressiva, mobilizando tanto devedores como credores para que zerassem seus superavits e deficits. Na Conferência de Bretton Woods (1944), contudo, seu plano do „Bancor“ não conseguiu se impor ao plano White dos norte-americanos. Segundo o plano White, o dólar foi alçado à posição de moeda líder mundial e criados o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e o GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio), instituições que, junto com o capitalismo e o colonialismo, consolidaram a divisão do mundo em quatro mundos hierarquizados (Senghaas).[24]

Depois da segunda guerra – que rumo para a Europa?

Como depois de 1945 ressurgiu a economia de mercado capitalista com seus privilégios sobre a terra, bem como sobre o dinheiro e o patrimônio, o processo da integração européia só poderia iniciar socialmente torto com mercados dominados pelo poder monopolista. Assim, a União do Carvão e do Aço fundada em 1951 foi, por certo, um passo importante da reconciliação franco-alemã, mas permitiu apenas um mercado comum para o livre comércio de carvão e aço, sem estabelecer condições para uma gestão conjunta de recursos naturais, voltada para a reforma dos direitos de propriedade sobre a terra. Muito pelo contrário, a União do Carvão e do Aço, assim como a Comunidade Econômica Européia, pretendiam ser apenas instrumentos para o fomento ao crescimento industrial. O mercado comum da Comunidade Econômica Européia (CEE) ficou caracterizado pela injustiça na distribuição da riqueza, em função do poder estrutural do dinheiro e das distorções monopolistas. E o conflito não resolvido entre o trabalho humano e o capital foi atenuado às custas da natureza, em função do crescimento industrial. Em reação à crescente dependência de importações de petróleo e gás de outras partes do mundo, foi decidido em 1957, com o contrato da Euratom, implantar uma forte rede de geração energética nuclear, de modo a assegurar crescimento e bem estar nos países da comunidade européia com a ajuda da energia atômica. A política agrária comum, por sua vez, deveria assegurar a alimentação, industrializando a agricultura que não era competitiva, protegendo-a da quebra total com subvenções e tarifas.

Por um lado, os adeptos de Gesell apoiavam o processo de integração européia que estava começando como uma oportunidade de pacificar a Europa, depois de séculos de guerras. Temiam, contudo, que a integração européia, em função das inalteradas e injustas e conseqüentemente instáveis estruturas sociais, faria com que em cada país se estabelecessem burocracias supra-nacionais não controláveis pelo processo democrático: “A Europa unificada não pode se transformar num super estado, mas tão somente uma federação européia, a exemplo da Confederação Helvética. O objetivo não é o estado único e sim a variedade dentro da união.“[25]

Contra o pano de fundo de um conflito Leste-Oeste, que se acirrava cada vez mais na década de 1950, os adeptos de Gesell optaram pela „neutralidade ativa“. Sem vinculação militar aos blocos capitalista e comunista, a Alemanha (a Ocidental e a Oriental juntas) deveria dar o exemplo ao mundo e especialmente aos países neutros, de conciliação e de política para a paz, através da reforma do direito sobre a terra e do sistema monetário. Esta posição continha implícita a rejeição à obtenção de energia de fontes nucleares.[26]

Ao invés da vinculação unilateral da Alemanha ao ocidente ou sua integração ao bloco de força europeu ocidental, particularmente Herbert K. R. Müller sugeria a „integração universal ao conjunto da economia mundial“. O acesso ordenado e justo à terra e aos recursos naturais, bem como corretas relações de troca, deveriam estabelecer as condições para o livre comércio mundial, sem qualquer protecionismo de estados nacionais. Neste contexto, Müller reivindicava ao ocidente capitalista que libertasse os países da América Latina, da África e da Ásia do jugo colonial, dando-lhes a oportunidade, especialmente através de reformas agrárias, de se desenvolver com autodeterminação, sem a interesseira e assim chamada “ajuda para o desenvolvimento” do ocidente.[27]

Com respeito à integração européia, que progredia celeremente, Elimar Rosenblohm alertava, na metade da década de 1960, contra o „nacionalismo europeu“ que vinha se desenvolvendo consciente ou inconscientemente contra o nacionalismo americano, russo ou chinês. Seria isto um progresso em relação ao nacionalismo alemão ou francês? Nacionalismo significa fronteiras, significa distanciamento do resto do mundo. Ninguém faz segredo de que a Comunidade Européia foi pensada como contrapeso econômico a outros blocos econômicos. Quanto a assim chamada guerra do „frango, dos ovos e da carne“ da comunidade européia contra os EUA e outros países, Rosenbohm defendia uma política européia democrático-federativa, ao invés de supra-nacional-centralista.[28]
Karl Walker também considerava importante superar o pequeno-estatismo e a integração da Europa como uma „idéia grandiosa de política mundial“. No entanto, via a burocracia da Comunidade Econômica em Bruxelas como um retrocesso „ao que era condenável da ordem autocrática em busca de dominação“. A assim chamada economia livre de mercado da Comunidade Européia era considerada por Walker como uma “reedição atrasada do estado comercial fechado” de Johann Gottlieb Fichte. E os regulamentos aduaneiros da Comunidade Européia quase não são diferentes daquilo que foi feito quando, em 1833, foi instituída a União Aduaneira Alemã em escala menor. A economia de mercado da CEE não é, do jeito que está, um sistema aberto ao mundo; os antigos problemas das políticas aduaneiras foram apenas empurrados com a barriga para as fronteiras externas da Comunidade.“[29] No que se refere à política monetária, Walker evoluiu suas idéias a partir da IVA de Gesell e do Plano Bancor de Keynes, apresentando um „Programa dos Dez Pontos“ para uma moeda européia, que deveria circular em paralelo com as moedas de cada país. Quanto a uma moeda européia única, Walker manifestou a preocupação de que esta conduziria à formação de um bloco de força europeu que rivalizaria com outros blocos de força.[30]

Pouco antes da grande transformação no centro e Leste da Europa, Roland Geitmann apresentou suas idéias a respeito da reforma do direito de propriedade sobre a terra e do sistema monetário no contexto da herança cultural da Europa central.[31] Como ao final do confronto Leste-Oeste surgiu uma nova ruptura entre o ocidente „civilizado“ e o mundo árabe, o cumprimento desta tarefa da Europa se tornou ainda mais premente. Ao invés de se desenvolver como sociedade civil voltada para a paz, reforçando seu papel de intermediário global, a Europa optou pelo caminho de tornar-se uma potência econômica e militar, desde o início da década de 1990.

Dick Löhr não criticou o mercado interno europeu de uma perspectiva de estado conservador-nacionalista, e sim de um ponto de vista liberal. Viu nele um passo em direção a uma política errônea de criação de um bloco supra-nacional e de distanciamento do resto do mundo.[32] Pela mesma razão Löhr e Thomas Betz se manifestaram, em 1998, contra a introdução do Euro – com evidente simpatia pela „Causa contra o Euro“ apresentada por Schachtschneider, Nölling, Starbatty e Hankel perante o Tribunal Federal Constitucional - , enquanto Eckhard Behrens esperasse mais vantagens do que desvantagens da introdução do Euro.[33]
 
As continuadas infrações dos „pecaminosos do deficit“, como a Alemanha e a França, contra o pacto de estabilidade européia justificam levantar dúvidas adicionais sobre a funcionalidade econômica do Euro. Günter Hannich conclui disso que apenas espaços monetárias nacionais próprios estão em condições de chegar à estabililidade econômica geral. Por isso, já estaria „pré-programado“ o fim do Euro.[34] O objetivo da integração européia é rejeitado por ele em função de „fronteiras naturalmente estabelecidas“ (!) entre os diversos povos e afirma amplamente que „a Europa só é interessante para a maioria dos países porque recebem tributos (subsídios) da Alemanha.”[35] Ao invés desse tipo de ressentimento nacionalista, apenas deveriam ser levados em conta a avaliação da EU e do Euro quanto a sua funcionalidade econômica e seu papel no contexto da distribuição do poder político no mundo.
As infrações dos pecadores do deficit ameaçam o poder de compra do Euro, da mesma maneira como foram ameaçados os poderes de compra do marco alemão, do franco e da lira. Com a introdução do Euro, é bom lembrar, não se alterou nada dos fundamentos da estrutura de poder do dinheiro. Apenas o espaço monetário se tornou maior, fazendo com que a distância entre as populações e as esferas de decisão de política econômica também se tornasse maior. Para as aspirações em torno da reforma monetária e o caminho para obter peso político legítimo ficou ainda mais difícil. A reação a esta realidade é a atual difusão de moedas regionais („Regio em complementação ao Euro“). Possivelmente estas tendências contribuirão para a transformação da forma de pensar sobre as questões políticas envolvendo o sistema monetário, especialmente se as moedas regionais de fato praticarem a “oxidação” do dinheiro, diferentemente de muitos grupos de escambo.[36]
 
Depois que a reunificação alemã se concretizou por interesses de poder e o Euro se transformou em realidade, faz mais sentido para o futuro pacífico da Europa que a reforma do Euro seja feita na direção do “dinheiro oxidável” do que pretender o retorno das antigas moedas de cada país. E a „oxidação“ poderia ser praticada com o auxílio das tiras magnéticas nas notas de dinheiro, segundo uma sugestão do banqueiro norte-americano Marvin Goodfriend.[37] Isto poderia contribuir para o objetivo da estabilidade da moeda que consta no Art. 29.2 e III/77.1 do Banco Central Europeu. E poderia, além disso, contribuir para estabelecer a base econômica da maior justiça social e para uma atividade econômica ecologicamente sustentável na Europa, no contexto do Imposto Tobin e de medidas de redução da dívida do terceiro mundo.
Por enquanto prevalece, contudo, na minuta de constituição da União Européia, a tendência de ampliação da UE como uma „fortaleza Europa“ (especialmente no Artigo 40), ao invés da idéia de eliminação de tarifas alfandegárias por parte da força de paz dominada pela sociedade civil, capaz de concretizar a “função-ponte” entre o terceiro mundo e os EUA. É bem verdade que a minuta de constituição da UE contém o objetivo de fomentar a justiça social (Art. 3.3). A UE não oferece a seus cidadã(o)s, o que promete no Art. 3.2., isto é, „um mercado interno de livre competição sem distorções“. No âmbito da garantia ao livre movimento das pessoas, dos bens, serviços e capital (Art. 4.1), não só permite o livre fluxo ilimitado de capital, como também sua constante acumulação. Desta maneira, a competição será cada vez mais dominada pela concentração de capitais em mãos de monopólios e oligopólios. A posse dos meios de produção (Art. II,17) está insuficientemente ligada ao social, mas ao mesmo tempo se espera que a mão-de-obra se adapte às “necessidades das mudanças econômicas” (Art. II, 15,1 und III,97).[38]

Objetivo distante: Administração dos recursos naturais e integração monetária sob a égide das Nações Unidas

No caso do continuado desenvolvimento social, ecológico e democrático da Constituição Européia sobre a base do Euro reformado, também seria possível, mais adiante, a integração global do dólar, da libra, do euro, do franco suíço, do yen e de outras moedas numa rede que obedeça aos princípios básicos do plano „Bancor“. E isto poderia ser concretizado melhor sob o teto comum das Nações Unidas. Desta maneira a atividade econômica numa parte do mundo poderia libertar-se da armadilha Norte-Sul, estabelecendo gradualmente um equilíbrio global Norte-Sul, Leste-Oeste.

Ao final da década de 1990 o „Bancor“ de Keynes vinha sendo examinado com atenção no seio das Nações Unidas: „Keynes desejava que o ônus do ajuste estrutural fosse suportado tanto pelos países com superavits como pelos que geravam deficits. Chegou até mesmo a sugerir um juro punitivo de 1 % ao mês para superavits especialmente altos.“[39] Mesmo que não tenha acontecido uma discussão mais ampla e ainda ter que se percorrer um longo caminho para chegar à administração global dos recursos naturais[40], seria interessante que o movimento em prol da reforma monetária e do direito sobre a propriedade da terra se envolvesse mais de perto com as Nações Unidas, contribuindo para a discussão corrente do tema “Global Public Goods”.[41] Neste contexto, a sugestão de uma moeda global com o nome de „Terra“, conforme proposta por Bernard Lietaer, também está sendo imaginada onerada por custos artificiais de entesouramento - Lietaer chama estes custos de “taxas de sustentatibilidade”. Esta nova moeda global teria, contudo, duas desvantagens: deveria ser criada tendo como lastro uma „cesta de recursos naturais“ e posta em circulação por grupos multinacionais.[42]
Nas discussões sobre o „diálogo das culturas“, sobre a ética mundial e sobre a „governabilidade global“, falta ainda atribuir às Nações Unidas a administração global dos recursos naturais e da integração das moedas. Mas as Nações Unidas poderiam ser um elemento na „arquitetura concreta de um mundo parcamente homogêneo“[43], bem como do futuro ordenamento político do mundo. Caso assumisse a tarefa de uma tal configuração econômica, o papel das Nações Unidas teria importância cada vez maior. Isto evitaria conflitos e liberaria as Nações Unidas das atuais ingratas tarefas que são conseqüência da forma de globalização neoliberal-capitalista, chamando-a a intervir da América Latina, na África e na Ásia, sempre com insuficiência de recursos.


[1] La cuestión monetaria argentina (1898), in: Gesammelte Werke Band 2, S. 222.
[2] Die Natürliche Wirtschaftsordnung durch Freiland und Freigeld (1916/20), in: Band 11, S. 225.
[3] Die Reformation im Münzwesen als Brücke zum sozialen Staat (1891), in: Band 1, S. 61 - 62 (sozialer Staat) sowie Band 1, S. 135 und 367 und Band 7, S. 298 (flexible Arbeitszeiten)
[4] Eine neue Orientierung auf dem Gebiet der sozialen Frage, in: Band 3, S. 141.
[5] Wie Anm. 3 und Das Recht auf den vollen Arbeitsertrag durch die Geld- und Bodenreform (1904), in: Band 4, S. 45 – 87.
[6] Das Recht auf den vollen Arbeitsertrag durch die Geld- und Bodenreform, in: Band 4, S. 78 – 79.
[7] Band 11, S. 72.
[8] La pletora monetaria 1909 y la anemia monetaria de 1898 (1909), dt. Übersetzung in: Band 5, S. 178 – 248, hier: S. 235 - 245. – Schon 1898 zeigte sich Gesell beeindruckt vom Weltpostverein und vom Internationalen Roten Kreuz; vgl. Band 2, S. 222.
[9] Die Weltkraftzentrale VIER und ihre Verfassung (1916), in: Band 8, S. 295 – 306, hier: S. 301.
[10] Die Weltkraftzentrale VIER und ihre Verfassung, S. 296. „Darum wähle man zum Wappen für VIER keinen Adler, keinen Löwen, kein Kreuz, kein Symbol höheren Seelenschwunges, sondern ähnlich wie die glitzernden Silberdollars in der Fahne der Vereinigten Staaten erhebe man eine Geldbörse zum Wappen von VIER.“ (ebd.)
[11] Die Weltkraftzentrale VIER und ihre Verfassung, S. 295 und 306.
[12] Zu Gesells Einstellung zur deutschen Geschichte vgl. Band 15, S. 163 – 166, sowie Band 16, S. 286. - Zum Überfall auf Belgien vgl. Band 10, S. 238 und 331; Band 13, S. 77. – Zur Einstellung zum ersten Weltkrieg vgl. Band 10, S. 22, sowie Band 16, S. 186 –189. - Allerdings ließ sich Gesell zu Beginn des Kriegs auch eine Weile von der allgemeinen Kriegsstimmung anstecken und stimmte der Bewilligung von – zinslosen – Kriegskrediten zu; vgl. Band 8, S. 142 und 144 – 153.
[13] Zum „nationalistischen Wahn“ vgl. Band 14, S. 397, und Band 16, S. 96. - Zu den Reparationen vgl. Band 12, S. 301 – 303; Band 13, S. 313. - Zum Frieden mit Frankreich und zum Verzicht auf Elsass-Lothringen vgl. Band 13, S. 141 – 144 und S. 314 – 321, sowie Band 14, S. 310 – 317 und S. 383. - Zum Frieden mit Polen und Tschechien vgl. Band 14, S. 319 – 320, Band 15, S. 221, und Band 16, S. 71.
[14] Band 11, S. 55. - Band 12, S. 290 – 292.
[15] Über die Grenzen vgl. Band 11, S. 69 – 72, und Band 12, S. 152 - „Lassen wir den vollen Freihandel nur einige Jahrzehnte sich frei entwickeln und wir werden bald sehen ..., mit welcher Liebe gute Beziehungen gute zu den Nachbarvölkern vom ganzen Volke gepflegt werden, wie die Familien hüben und drüben durch Bande der Verwandtschaft fest aneinander gekettet werden, wie Freundschaft zwischen Künstlern, Gelehrten, Arbeitern, Kaufleuten, Geistlichen alle Völker der Welt zu einer einzigen großen Gesellschaft verketten wird, zu einem Völkerbund.“ (Band 11, S. 94) - Vgl. außerdem Band 12, S. 150 – 153.
[16] Band 11, S. 68 (Hoheitsrechte über Ressourcen als Pulverfass des Krieges). - Freikohle: Die Formel für den Frieden in Oberschlesien , in: Band 13, S. 94. – Oberschlesien sollte Gesell zufolge nicht unter dem Aspekt der staatlichen Macht betrachtet werden; vgl. dazu Band 14, S. 73 – 74, und Band 16, S. 340 – 341. - Petrol-Trust, in: Band 13, S. 145 – 147. -
[17] Internationale Valuta-Assoziation, in: Band 12, S. 149 – 195, insbesondere S. 182 – 195. Zur Lateinischen Münzunion gehörten im 19. Jahrhundert Belgien, Frankreich, die Schweiz, Italien und Griechenland. - Zur kritischen Rezeption der IVA vgl. Hugo Godschalk, Keynes-Plan 1944 und Silvio Gesells IVA-Plan, in: Fragen der Freiheit Nr. 206 / 1990, S. 35 – 46.
[18] Band 9, S. 79 – 83. - Band 10, S. 75, 131 und 300. - Band 11, S. 72 und 99. - Band 13, S. 170.
[19] Band 10, S. 254 – 255. – Band 12, S. 303 – 305.
[20] Richard Coudenhove-Kalergi, Kampf um Paneuropa, 3 Bände 1925 – 1928; ders., Die Europäische Nation (1953); ders., Weltmacht Europa (1971).
[21] Der Vereinigte Unsinn von Europa - Gegen den europäischen Zollverein (1926), in: Band 16, S. S. 72 – 77. - Vgl. dazu auch Band 16, S. 291; Band 17, S. 195, und Band 18, S. 327 und 395.
[22] Band 11, S. 56 und 64 – 66 (Kritik am Völkerrecht). – Band 12, S. 304 – 305. – Band 15, S. 198 – 202. - Zur Überlegung, die IVA an den Völkerbund anzugliedern, vgl. einen Brief von Gesell an Hans Bernoulli vom 12. 1. 1928, in: Band 18, S. 3
[23] Zu den außenpolitischen und weltwirtschaftlichen Vorstellungen des Kreisauer Kreises vgl. Jan Kubista, Die europapolitischen Gedanken des Kreisauer Kreises und ihre Bedeutung für die europäische Einigung, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 143. Folge / 2004. – Vgl. auch Daniela Rüther, Der Widerstand des 20. Juli auf dem Weg in die Soziale Marktwirtschaft, Paderborn 2002, S. 309 – 312. Rüther verweist auch auf Vorbehalte gegenüber einer europäischen Gemeinschaftswährung. (S. 312)
[24] John Maynard Keynes, International Clearing Union, in: Stefan Leber (Hg.), Wesen und Funktionen des Geldes - Zahlen, Leihen und Schenken im volkswirtschaftlichen Prozess, Stuttgart 1989, S. 323 - 349. – Vgl. Elimar Rosenbohm, Internationale Währungsordnung - 25 Jahre Bretton-Woods-Abkommen, in: mensch-technik-gesellschaft - Zeitschrift für Sozialökonomie 18. Folge / 1970, S. 7 – 23. - Wilhelm Hankel, John Maynard Keynes - Die Entschlüsselung des Kapitalismus. München 1986, S. 70 und 77ff, 121 und 131. - Dieter Senghaas, Die Konstitution der Welt - eine Analyse in friedenspolitischer Absicht, in: Leviathan Nr. 1 / 2003, S. 117 – 152, hier: S. 135 und 144. Allerdings führt Senghaas die ökonomischen „Entgrenzungsprozesse“ (S. 118) auf der Welt nicht auf ihre monetären Wurzeln zurück.
[25] Eine Grenze wie der Europa mit Mauern, Stacheldraht und Selbstschussanlagen teilende Eiserne Vorhang wäre für Gesell völlig unvorstellbar gewesen. Vgl. die Anm. 1. - Werner Schmid, Der Weg zu einem freiheitlichen Europa, in: Blätter der Freiheit Nr. 7-8 / 1953, S. 299 – 315.
[26] Hans-Joachim Werner, Geschichte der Freiwirtschaftsbewegung - 100 Jahre Kampf für eine Marktwirtschaft ohne Kapitalismus, Münster 1989, S. 94 – 100. - Zur Ablehnung der Atomenergie vgl. Johannes Ude, Atomare Götzendämmerung, Grundlsee 1958. - Johannes Ude, Das Verbrechen der atomaren Aufrüstung und des Atomkriegs, Graz 1958. - Walter Moré, Die deutsche Frage, in: Informationen für Kultur, Wirtschaft und Politik Nr. 8 / 1959, S. 8 – 14.
[27] Herbert K.R. Müller, Europäische oder universelle Integration?, in: Informationen für Kultur, Wirtschaft und Politik Nr. 10 / 1960, S. 11 – 17. - Herbert K.R. Müller, Die ökonomischen, sozialen und politischen Hintergründe der westlichen Hilfe für die unterentwickelten Länder, in: Informationen für Kultur, Wirtschaft und Politik Nr. 8 / 1961, S. 2 – 32 (Sonderausgabe der „Informationen“ für die Opfer der westlichen „Entwicklungshilfe“)
[28] Elimar Rosenbohm, Supranationale oder föderative Europapolitik, in: mensch-technik-gesellschaft / Zeitschrift für Sozialökonomie 7. Folge / 1966, S. 39 – 48, hier: S. 42 und 44ff.
[29] Karl Walker, Neue Europäische Währungsordnung?, in: mensch-technik-gesellschaft / Zeitschrift für Sozialökonomie 19. Folge / 1970, S. 17 – 24, hier: S. 17 – 18.
[30] Karl Walker, Neue Europäische Währungsordnung. Lauf bei Nürnberg 1962, S. 113 – 133. Walker verwies darauf, dass ähnliche Überlegungen in einem 1961 auf IWF-Ebene diskutierten „Triffin-Plan“ enthalten gewesen seien. (S. 115) - Karl Walker, Neue Europäische Währungsordnung?, in: mensch-technik-gesellschaft /Zeitschrift für Sozialökonomie 19. Folge / 1970, S. 20 – 22. – Vgl. auch Hans Hoffmann, Voraussetzungen einer Europäischen Währungsintegration, Hamburg 1970. - Nach dem Zusammenbruch des Systems von Bretton Woods betonte Hoffmann die Notwendigkeit, die „Erosion der nationalen Währungen“, die zugleich eine Erosion der Freiheit und des Sozialen sei, aufzuhalten und Stabilitätsvoraussetzungen für eine Integration zu schaffen; in: ders., Woran scheitert die Europäische Wirtschafts- und Währungsordnung?, Hamburg 1974.
[31] Roland Geitmann, Mitteleuropas Brückenfunktion - Fragen an die Freiwirtschaft, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 78. Folge / 1988, S. 3 – 7.
[32] Dirk Löhr, Europäische Zentralbank - Europäische Währungsunion: Das Ende der Stabilitätskultur, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 93. Folge / 1992, S. 3 – 20, hier: S. 13.
[33] Dirk Löhr, Der Euro – Niederlage der Vernunft, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 117. Folge / 1998, S. 21 – 34. - Thomas Betz, Was der Euro soll und was eine internationale Währung wirklich sollte, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 117. Folge / 1998, S. 35 – 43. - Eckhard Behrens, Der Euro und wir, in: Fragen der Freiheit Nr. 248 / 1998. S. 24 – 28. – Hankel sprach sich bereits zu Beginn der 1990er Jahre gegen die weitere Bildung „protektionistischer Währungsblöcke“ aus und bevorzugte eine „europäische Parallelwährung“ anstelle einer „europäischen Megawährung“; in: ders., Dollar und ECU - Leitwährungen im Widerstreit, Frankfurt 1992, S. 121 – 122 sowie S. 22 – 23 über den Bancor.
[34] Günter Hannich, Editorial / Das sollten Sie unbedingt wissen, in: Humanwirtschaft Nr. 1 / 2004, S. 1 - 4. Fragwürdig ist die Frage „Der Euro als Endlösung für Europa?“ im Titel eines Buches von Hannich (Stuttgart 2003).
[35] Hans Bernhard Zill, Europa als Ideal und Wirklichkeit, in: Humanwirtschaft Nr. 1 / 2004, S. 18 – 20. - Eberhard Hamer im Interview mit Günter Hannich, in: Humanwirtschaft Nr. 2 / 2004, S. 12.
[36] Margrit Kennedy und Bernard Lietaer, Regionalwährungen - Neue Wege zu nachhaltigem Wohlstand, München 2004, S. 94 – 132.
[37] Marvin Goodfriend, Overcoming the Zero Bound on Interest Rate Policy, in: Journal of Money, Credit and Banking Vol 32, No. 4 / November 2000, Part 2, p. 1007 – 1035.. – Vgl. dazu Norman Ehrentreich, Die Nullschranke nominaler Zinsen als geldpolitische Restriktion in der wissenschaftlichen Diskussion, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 124. Folge / 2000, S. 9 – 15. - Zur deutschen Wiedervereinigung vgl. Thomas Betz, 10 Jahre keine Einheit - Ein Kompendium wirtschaftspolitischer Fehler, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 127. Folge / 2000, S. 2 – 19.
[38] Europäischer Konvent (Hrsg.), Entwurf eines Vertrags über eine Verfassung für Europa, Brüssel 2003. - Vgl. hierzu Roland Geitmann, Europa in guter Verfassung?, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 143. Folge / 2004.
[39] Deutsche Gesellschaft für die Vereinten Nationen (Hg.), Bericht über die menschliche Entwicklung 1999 (UNDP), Bonn 1999, S. 122. – Zu Keynes’ Bancor-Plan vgl Anm. 23 und Thomas Betz, Was der Euro soll und was eine internationale Währungsordnung wirklich sollte, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 117. Folge / 1998, S. 35 – 43, hier: S. 39ff.
[40] Um eine „Weltumweltpolitik“ zu ermöglichen, schlug Udo Ernst Simonis die Gründung einer besonderen Organisation der UN vor; vgl. Udo Ernst Simonis, Projekt 2000 - Eine Weltorganisation für Umwelt und Entwicklung, in: Wilhelm Nölling, Karl Albrecht Schachtschneider und Joachim Starbatty Hrsg., Währungsunion und Weltwirtschaft, Stuttgart 1999, S. 393 – 409. - Innerhalb der Geld- und Bodenrechtsreformbewegung kommen dem Fritz Andres und Dirk Löhr am nächsten. Fritz Andres, Wieviel Erde braucht der Mensch? In: Fragen der Freiheit Nr. 257 / 2001. – Ders., Klimapolitik als Ordnungspolitik, in: Fragen der Freiheit Nr. 258 / 2001. – Ders., Zur Strategie der Abfallvermeidung und des Recycling, in: Fragen der Freiheit Nr. 265 / 2004. - Dirk Löhr, Nachhaltige Ressourcennutzung als Option, in: in Fragen der Freiheit Nr. 265 / 2004.
[41] Allerdings hat die Geld- und Bodenrechtsreformbewegung die UN lange Zeit weitgehend aus den Augen verloren. Zu den wenigen Ausnahmen gehörte Walter Moré, Völkerrecht in der Gegenwart, in: Informationen für Kultur Wirtschaft und Politik Nr. 7 / 1960, S. 11 – 17. Vgl. außerdem Hans Hoffmann, Kennen Sie die UNO? - Das Wichtigste über die Vereinten Nationen und deren Organisationen, Bern 1986. - Vgl. außerdem Thomas Betz, IWF und Weltbank zwischen Anspruch und Wirklichkeit, in: Zeitschrift für Sozialökonomie 132. Folge / 2002, S. 17 – 33. – Über die UN vgl. Sven Gareis und Johannes Varwick, Die Vereinten Nationen - Aufgaben, Instrumente und Reformen. Bonn: Bundesanstalt für politische Bildung, 2. Auflage 2003. - Inge Kaul, Isabelle Grunberg und Marc Stern Hrsg., Global Public Goods - International Cooperation on the 21st Century, New York 1999.
[42] Bernard Lietaer, Das Geld der Zukunft, München 1999, S. 374 und 381 – 386.
[43] Dieter Senghaas, Die Konstitution der Welt - eine Analyse in friedenspolitischer Absicht, in: Leviathan Nr. 1 / 2003, S. 144 und 146. - Vgl. Thomas Betz, Tendenzen und Hindernisse zur Integration der Weltgemeinschaft, in: Fragen der Freiheit Nr. 255 / 2000, S. 14 – 35.
 

[Home] [BasisInformation] [Weiterführende Informationen] [Kritik & Antwort] [Zeitschrift für Sozialökonomie] [Fragen  der Freiheit] [Veranstaltungen] [Forschung] [Archive] [Info Foreign Languages] [PinnWand] [Impressum] [Stiftung]

(C) GAUKE GMBH